Encontro Regional do CB27 em Manaus

Nos dias 20 e 21 de março aconteceu o encontro regional das capitais do norte do CB27 em Manaus. O objetivo foi o intercâmbio sobre desafios comuns e idéias para abordagens de soluções.

Cover: Encontro Regional do CB27 em Manaus

Após uma breve abertura e cumprimentos por Kátia Schweickhardt, secretária de meio ambiente de Manaus, Nelson Moreira Franco, gerente do CB27, e Délio Malheiros, coordenador da rede discursaram sobre a importância da plataforma CB27. Destacaram que se trata de uma excelente possibilidade para gerar um intercâmbio sobre soluções para os desafios das metrópoles modernas. “Juntos estamos mais fortes” foi a conclusão de Nelson Moreira Franco. Délio Malheiro enfatizou a importância das megacidades na agenda global. Ele destacou também que, apesar das diferenças entre as metrópoles, muitos desafios são parecidos, e advogou, nesse sentido, a aprendizagem mútua. Conforme afirmou Senhor Malheiro, a colaboração com o setor privado é uma possibilidade para implantar projetos bem-sucedidos, apesar dos orçamentos escassos dos ministérios de meio ambiente. Além disso, ele supõe que o CB27 poderia contribuir para um melhoramento da qualidade de vida dos moradores das capitais, através de sua política ambiental.

Na segunda parte do evento, os participantes responderam à pergunta “por que e de que maneira, políticas para a mitigação e a adaptação às mudanças climáticas são implementadas?”. Niro Higushi, do Instituto Nacional de Pesquisa da Amazônia, ilustrou que no ano de 2007, 1.940 kg de CO2 por pessoa foram emitidos. Sublinhou que, para recompensar essa emissão imensa, era necessário que fossem plantadas 400 árvores por pessoa ou que fossem implementadas outras medidas. Nelson Moreira Franco apresentou o funcionamento de um centro de operação, já em funcionamento no Rio de Janeiro, que facilita a reação em tempos de crises. Luiz Enrique Piva, do Centro Nacional de Mudanças Climáticas (CECLIMA-SDS) destacou a importância de projetos de monitoramento para uma melhor eficácia dos métodos implementados.

Após a discussão, os representantes dos estados amazônicas tiveram a oportunidade de falar sobre as melhores práticas na sua cidade. Heraldo Texeira Monteiro, secretário de Macapá, apresentou um projeto de reaproveitamento de madeira velha, construindo bancos e outros mobiliários. Kátia Schweickhardt se referiu à organização institucional tomando a Secretária Municipal de Meio Ambiente de Manaus (SEMMAS) como exemplo de boa prática. Daniel Peixoto, secretário de meio ambiente de Boa Vista, explicou a integração dos povos indígenas nos projetos ambientais, e Silvia Costa Brilhante, secretária ambiental de Rio Branco junta com a sua colega Cleuza Migamonte, apresentaram a importância da educação ambiental das crianças através de projetos que envolvem atividades como o plantio de árvores, a horticultura e visitas a trilhas ecológicas.

O evento foi encerrado com a assinatura da Carta da Amazônia que contém a solicitação ao Comitê Orientador do Fundo Amazônia (COFA) para revisar as diretrizes e critérios das Políticas Operacionais para o Fundo Amazônia, a fim de que as capitais do Norte, que ainda não estão incluídas, possam aceder ao Fundo. Entretanto, ficou decidido que o CB27 vai começar, desde já, a elaborar projetos que cumpram com os requerimentos do Fundo Amazônia.

Artigo originalmente publicado no site da Fundação Konrad Adenauer.